A invicta cidade do Porto

Durante mais de 20 anos a minha relação com a cidade do Porto foi meramente profissional. Consistia em visitas regulares, mas de muito curta duração.

Quando finalmente decidi mudar essa relação fiquei apaixonada. O Porto é uma cidade cheia de vida de tradições e de uma enorme beleza. Uma das coisas que sempre me impressionou do Porto foi a autenticidade das suas gentes. Em mais local nenhum do país nos tratam por menina de forma tão afetuosa. Faz-nos sentir em casa.

Quero agora levá-lo a descobrir esta cidade. A percorrer as suas ruas, a conhecer a sua história, a desvendar alguns dos seus monumentos mais conhecidos. Sem esquecer de uma bebida fresca numa esplanada à beira-rio.

Vamos então partir a descoberta?

Comecemos pelo óbvio. O centro histórico da do Porto é um local que respira história e tradição, onde bate o coração de uma cidade moderna, mas que não esquece as suas raízes.

O primeiro local de visita é aquele que é quase de certeza um dos meus espaços favoritos na cidade, a estação de São Bento.  Esta é, sem dúvida, uma das mais bonitas estações de comboios do mundo. Construída no início do século XX e destaca-se pela sua imponente fachada, mas sobretudo pelo seu grandioso átrio revestido com 20 000 azulejos que representam as várias cenas da história de Portugal e da história dos transportes.  Sou capaz de ficar horas aqui admirar os azulejos e o entre sai, o chega e parte de quem aqui passa diariamente.

Antes de seguir viagem e já que falamos de azulejos, sabia que a cidade do Porto tem um dos mais ricos patrimónios em azulejo? Alguns dos locais mais emblemáticos são a estação de São Bento, a Sé, a Igreja do Carmo, a sede do Millennium BCP, a Rua do Bonjardim e, uma das minhas favoritas, o armazém da Fábrica de Cerâmica das Devesas, na Rua José Falcão.

E, porque quero manter o seu interesse lá em cima, convido-o agora a visitar aquela que é considerada “a sala de visitas da cidade”, a Avenida dos Aliados. Local de grande impacto onde somos imediatamente atraídos para o fantástico edifício da Câmara Municipal. À nossa volta outros, majestosos edifícios cuja beleza vos vai cativar.  Este local é ponto de passagem obrigatória e por aqui vai passar algum tempo a descobrir os cafés,  as esplanadas e os edifícios. Já agora, por curiosidade, sabe porque se chama Avenida dos Aliados? Em homenagem aos Países Aliados na Primeira Guerra Mundial.

Prosseguimos para outro monumento icónico da cidade, a famosa Torre dos Clérigos. Se lhe faltar a coragem para subir os 225 degraus, pode ficar apenas pela igreja. No entanto, vai perder a oportunidade de admirar aquela que é uma das melhores vistas panorâmicas da cidade. A caminho do topo, passará, no terceiro andar, por um carrilhão de 49 centímetros, programado por computador para tocar às 12:00 e às 18:00. Está ligado a dois relógios atómicos um em Inglaterra e outro na Alemanha e o computador, através das ondas emitidas, acerta as horas a partir desses relógios. Engraçado, não é? Apesar destas modernices de século XXI, até ao século XIX existia apenas um sistema de aviso chamado Mediana que disparava do alto da Torre um morteiro para avisar o meio-dia. Pode vê-lo no nível quatro da torre.

Torre dos Clérigos, cidade do Porto

Mesmo ao lado encontra o Jardim da Cordoaria local ideal para descansar por uns momentos e desfrutar dos raios de sol.

Seguimos caminho para visitar duas das minhas igrejas favoritas, a Igreja do Carmo e dos Carmelitas. Aproveite para tirar um milhão de fotografias à distância, a partir da Praça Parada Leitão.  Estas duas igrejas dão espetaculares postais da cidade. A Igreja do Carmo é conhecida pela sua fachada revestida com painel de azulejos. Mas o que mais gosto destas duas igrejas é o segredo que escondem. Entre as duas encontra-se uma estreita casa apenas com um metro de largura. Foi construída propositadamente para separar as duas igrejas devido a uma lei que proibia que duas igrejas tivessem paredes comuns. É um pormenor que passo quase despercebido, mas agora já conhece o segredo.

Ainda na zona da baixa não deve deixar de visitar o Mercado do Bolhão.  Eu sou entusiasta por mercados, mas mesmo que não seja vai adorar as cores, os cheiros e a autenticidade das pessoas. Aqui encontra aquilo que o Porto tem de melhor.

Após visitar aquela que é uma das mais belas estações de comboio do mundo, vai agora visitar aquela que é uma das mais belas livrarias do mundo, a Livraria Lello. Entre e aprecie a beleza do local, dos seus vitrais, da escadaria e das imensas prateleiras cobertas de livros. A livraria Lello foi criada em 1906 e já foi e inspiração para famosos escritores, como autora dos livros do Harry Potter JK Rowling.  Num das salas pode ainda encontrar algumas raridades, como a primeira edição da Mensagem, de Fernando Pessoa, ou dos Lusíadas, de Camões.  Antes de sair não deixe de escolher um livro para trazer como recordação. À saída a fachada neogótica vai prender a sua atenção e certamente a sua máquina fotográfica.

Aqui perto vai encontrar ainda a Rua da Galeria de Paris. Memorize o local, pois vai querer voltar, à noite, para jantar e desfrutar de animação noturna. Esta é a zona mais movimentada da noite Portuense. Esta rua histórica data de 1784 e o seu nome é uma homenagem à revolta republicana de 31 de janeiro de 1891. Outra curiosidade é que grande parte da rua assenta sobre estacaria e arcos de pedra de modo a vencer o enorme declive que dá passagem à Mina do Bolhão. Por aqui pode também observar vários exemplos de arquitetura de ferro.

Falando em ruas famosas do Porto, uma das principais é, sem dúvida, a rua de Santa Catarina. Esta é uma rua maioritariamente pedestre e comercial cheia de vida e de animação. Por aqui encontra o afamado e elegante Café Majestic que tantas vezes viu ali reunir personalidades importantes da cidade. Os preços não são convidativos, mas não deixe de entrar nem que seja para beber um café.

Partimos agora à descoberta das carismáticas ruas da Sé onde se ouvem as histórias de outros tempos, contadas de memória por quem lá vive. O bairro que cresceu à volta daquele que é um dos monumentos mais importantes da história da cidade. O largo da Sé é o espaço ideal para admirar as vistas da cidade e deixar-se interiorizar pela sua história e tradição.

Da Sé, descemos pelas escadas do Barreto em direção à ribeira. De caminho, passará por uma das vias mais antigas da cidade e um dos locais mais engraçados para visitar. Ribanceira abaixo vai encontrar aquilo que de mais típico o Porto tem para oferecer.

 A meio caminho vai começar a ver o Rio Douro. Isso quer dizer que está a chegar à zona da Ribeira. Esta é uma das zonas favoritas de quem visita a cidade. As suas casas típicas e a vista do rio vão deixá-lo rendido e vai querer passar por aqui muito tempo da sua visita. Percorrer vielas, observar as casas, falar com as pessoas. Tenho a certeza de que esta parte da cidade o vai encantar. E, por fim, escolha uma esplanada ao sol e aprecie vida a passar no rio, os barcos rabelos e o cais de Gaia.

 Quando decidir que é hora de continuar, siga em direção ao Palácio da Bolsa. Pelo caminho, ao subir a Ribeira, vai encontrar a famosa escultura de um cubo. O Cubo da Ribeira foi inaugurado em homenagem à Revolução do 25 de abril. Procure também o Muro dos Bacalhoeiros. Este muro emblemático da cidade é uma parte da muralha Fernandina e deve o seu nome aos armazéns de negociantes de bacalhau que ali existiam. Podemos ainda encontrar no muro um postigo do carvão que fazia parte da entrada original da muralha.

Chegando ao Palácio, a primeira coisa com que se irá deparar é a sua magnífica fechada, de estilo dórico. No interior tem várias salas para conhecer e para percorrer a história deste Palácio. A sua beleza não o vai deixar indiferente.

Outra alternativa é atravessar a velhinha ponte Dom Luís e passar para a outra margem. Esta ponte metálica foi inaugurada em 1886 e classificada monumento nacional em 1982. Possui um dos maiores arcos em ferro forjado do mundo e tem dois tabuleiros, um em cima onde passa o elétrico e um em baixo para os carros, ambos com trânsito pedonal.

Do outro lado, em Gaia, além dos maravilhosos miradouros que lhe darão uma vista privilegiada sobre a cidade do Porto, vai também encontrar as famosas Caves de Vinho do Porto localizadas na Zona Ribeirinha. As caves oferecem a oportunidade, independentemente da marca, de degustar o precioso néctar do Vinho do Porto e conhecer o seu percurso na região.

Outros locais a não perder

Junto à Avenida da Boavista tem ainda uma série de locais a visitar. Esta avenida é a maior da cidade e em toda a sua extensão não faltam motivos de atração. Falo da Casa da Música, dos jardins do Palácio de Cristal, do Jardim Botânico e, já chegar a Foz, do Parque da Cidade, a maior área verde do Porto.

No final da avenida estará na Foz. E o que dizer da Foz? Aqui pode deliciar-se com as fantásticas paisagens desta avenida marginal, a partir do Castelo do Queijo.

O Forte de São Francisco, ou como normalmente conhecido o Castelo do Queijo, é assim chamado por assentar em rochedos de granito cuja forma se assemelha à de um queijo. A sua localização ribeirinha torna-o no local ideal para observar o pôr do sol.

Se está por aqui e tem tempo, não deixe de passar pela Fundação Serralves e passear pelo seu extenso espaço verde, local ideal para desfrutar de uns momentos de calma e descontração.

Muito mais há para ver, mas penso que percorri os locais mais emblemáticos desta cidade que sabe receber e acarinhar os seus visitantes. Espero que tenha gostado deste passeio e que o que tenha deixado com vontade de visitar esta cidade fantástica, capital do norte do país.

Published by Random Traveler

Olá, o meu nome é Sónia, e quando não estou a viajar, estou a planear a próxima viagem ou a sonhar com mil e um destinos que ainda não conheço. Já visitei 38 países e é nessas viagens que nascem as histórias e imagens que aqui partilho. View more posts

Leave a Reply

Exit mobile version