Day Trip Munique: Campo de Concentração de Dachau

Em 1933 um dos mais importantes generais nazis, Himmler, mandou construir um dos primeiros campos de concentração da Alemanha, as portas de Munique. Dachau tornou-se um dos mais importantes campos de Concentração e o único que se manteve durante todo o III Reich. No final da guerra mais de 200.000 prisioneiros tinham passado por este campo, mais de 43.000 aqui pereceram. Dachau tornou-se ao longo dos anos no campo modelo e no campo de treinos para outros do mesmo género.

Mas mais do que uma memória negra, Dachau pretende ser um local de memória e de homenagem a todos os que por aqui passaram e aqui ficaram. Por aqui reina o silêncio e a contemplação, cada um tentando em vão imaginar ou visualizar como seria este campo nos seus tempos de atividade.

Na visita passamos pela Jourhaus, o ponto de passagem para o inferno e a entrada no campo, ironicamente marcado pela famosa citação “Arbeit macht frei” (o trabalho liberta), pelo pátio de chamada, pelo local onde estavam localizados os barracões onde se abrigavam os prisioneiros e até pelos próprios barracões, cujas condições eram poucos mais que rudimentares.

4951a-dachau3

4fc35-dachau7

09b2f-dachau98

accf7-dachau6

c7b00-dachau14

 

Seguimos até ao ponto mais negro do campo onde estão localizados o Crematório e a Câmara de Gás. O percurso até este ponto e feito devagar, passa-me pela cabeça que talvez não seja um local que queira ver mas seguimos caminho e acabamos mesmo por entrar no Barracão. Efetivamente é um espaço frio e sinistro que nos deixa fisicamente arrepiados e doentes ao pensar em todo o sofrimento que por ali passou. Pelo eixo principal do campo, abrimos caminho pelo trilho que corre entre os dois corredores de barracões, num total de 34. Cada barracão foi construído para albergar 200 prisioneiros mas quase no fim da guerra albergava cerca de 2000. O espaço parece agora amplo mas certamente, com as construções que aqui que encontravam, era bem mais apertado.

0b0be-dachau24
3dd8e-dachau25
451d3-dachau62
Prosseguimos pela visita ao Museu onde ficamos a conhecer a história do campo, o processo de libertação, a sala e o processo de triagem dos prisioneiros e o banho. Antes de terminar a visita passamos pelo bunker, prisão para prisioneiros especiais, pelos memoriais na entrada do Museu: o Monumento, as inscrições simbólicas e o Relevo com os triângulos cujas cores diferentes simbolizam os diferentes “tipos” prisioneiros.
f1c7a-dachau2528802529
7deeb-dachau2528842529
69f21-dachau1
d7573-dachau99
Partimos abstraídos da paisagem e do espaço, meditando no que vimos e ouvimos e como pode em tempos ter existido tal local de horror…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s