À descoberta da “formal e monótona” Bruxelas

 

Bruxelas2.png

Chocolates, cervejas, graufres e BD são estes alguns dos argumentos que levam a maioria dos visitantes a Bruxelas. São bons motivos na verdade mas Bruxelas é muito mais. Para uma cidade por muitos apelidada de cinzenta e fria, a capital da Bélgica vai com certeza surpreender os seus visitantes, pela sua riqueza histórica e cultural, pelo contraste entre a grandiosidade dos edifícios históricos e o aço, vidro e betão da zona europeia, pelos seus parques verdejantes e igrejas gloriosas e pelo constante cheiro a graufes acabados de fazer e a chocolate que nos segue por todas as ruas.

Bruxelas é muito fácil de conhecer a pé não só porque não é muito grande como as suas ruas, desde a praça central, cruzam-se e levam- nos a todos os destinos que interessam ver e conhecer.

A cidade está dividida entre zona Baixa e Alta (refletindo o relevo em que foi construída). A primeira tem como ponto central a Grand Place e estende-se até ao Palais de Justice, incluindo  e o Palais Royal. Para lá do Parc de Bruxelles, a zona alta inclui todo o quarteirão do Parlamento Europeu e respetivos organismos e estende-se até ao Parc du Cinquantenaire.

Começamos o nosso passeio pela sala de visitas de Bruxelas, a Grand-Place, uma das mais belas praças do mundo. A praça é o coração da cidade e é onde podemos contemplar algumas das mais belas obras de arte da arquitetura, a começar pelo Hotel de Ville, magnifica construção gótica do século XV com 137 estátuas na fachada e um pináculo de 96 m de altura. Na praça podemos ainda admirar a Maison du Roi, ex-moradia dos monarcas espanhóis e que guarda atualmente o guarda-roupa do Manneken Pis, Le Pigeon, onde viveu Victor Hugo, La Maison des Ducs de Brabant, casas de diversas guildas, entre outras.

Bruxelas (37)Bruxelas (44)

De um dos lados da praça seguimos caminho até à Église St-Nicolas, La Bourse, a Bolsa de Valores de Bruxelas, um edifício imponente que domina a praça e faz sombra a alguns achados arqueológicos da Bruxelas medieval descobertos acidentalmente em 1998 (Bruxella 1238).

Bruxelas (115)

A toda a volta da praça é possível encontrar motivos de interesse como a Rue des Bouchers, rua que mantém o seu nome medieval e que guarda a memória de uma zona quase exclusiva de talhos. Atualmente alberga o maior número de restaurantes mas confesso que o seu aspeto não me entusiasmou a parar para comer. A Rua des Bouchers é atravessada no seu centro pelas Galeries St-Hubert, as primeiras galerias comerciais da Europa, inauguradas pelo Rei Leopoldo I. As Galerias impressionam não só pelo aglomerado de lojas de luxos e chocolaterias com montras tentadoras mas também pela sua arquitetura onde se destaca a abóbora do teto em vidro.

Bruxelas (135)

Do centro do luxo para o centro religioso da Bélgica, a Catedral de Sts Michel-et-Gudule é outro belo exemplar da arquitetura gótica, tendo sido construída com materiais trazidos das pedreiras locais. A sua construção arrastou-se por 300 anos e quando a visitamos percebe-se porquê.

Seguimos agora a elevação da cidade em direção à Place Royale onde ficamos de frente para a Église St-Jacques-sur-Coudenberg. Esta igreja resultou de uma capela que ali existia que fazia parte do Caminho de Santiago de Compostela e tem ligação direta ao Palácio Real. O palácio, localizado logo ali ao lado, é um impressionante edifício que domina toda a Place des Palais e que é a moradia dos monarcas belgas. Na verdade, toda esta zona é dominada pela elegância dos seus edifícios como o Museu BELvue, o Museu dos Instrumentos de Musica, o Palácio Charles Lorraine e Museu Real das Belas Artes.

Bruxelas (87)Bruxelas (90)

Deixando o palácio para trás chegamos ao degrau escarpado que divide a cidade, a Place du Grand Sablon, uma zona nobre e abastada que se estende até à nobre igreja Notre-Dame du Sablon, cujos vitrais de 14 m de altura dominam o seu interior. Quase em linha reta seguimos para a Place Petit Sablon, um pequeno e encantador jardim localizado a meio caminho do Palais de Justice. Já o Palácio é um imponente edifício que domina a linha do horizonte com a sua cúpula debruada a dourado. Tem uma dimensão impressionante e do alto da sua praça vigia a parte baixa da cidade. Da praça adjacente tem-se uma vista única da cidade.

Afastamo-nos finalmente em direção à zona alta. A caminho do Parc du Cinquantenaire atravessamos a cidade, cruzando a zona Europeia onde estão localizados o Parlamento Europeu e toda uma série de edifícios da Administração da UE. Neste conjunto inclui-se o famoso Berlaymont, o edifício em forma de tricórnio que alberga a Comissão Europeia e que tantas vezes vemos na televisão, com todas as bandeiras dos diferentes países que constituem a UE ao vento.

Bruxelas (95)

Fechamos a nossa visita com um passeio pelo mais famoso e também o mais grandioso parque de Bruxelas, que culmina de forma triunfal no Arco Central. O arco é guardado à direita pelo Museu Real da Arte e História e à esquerda pelo Museu Real do Exército e da História Militar, cuja fachada não nos deixa indiferentes. Vagueamos calmamente pela Avenida ladeada de olmos e plátanos (nesta altura do ano completamente despidos) e admiramos de um lado a grande mesquita e de outro os amplos espaços verdes que de verão certamente atraem inúmeras famílias e desportistas.

Bruxelas (106)Bruxelas (100)

 

Não saia de Bruxelas sem:

– Visitar o minúsculo Manneken-Pis, a estátua-fonte do menino a fazer xixi com 61 cm e que, segundo dizem, foi inspirada no filho de um duque que parou para “esvaziar a bexiga” no meio de uma batalha. A sua valentia e foi depois “homenageada” desta forma, virando símbolo da coragem militar do país. O pequeno Manneken tem um guarda-roupa de fazer inveja a muita fashion victim com mais de 800 fatos.

Bruxelas (3)

– Ver o Atomium foi construído em 1958 e é uma representação de um átomo aumentado 165 mil milhões de vezes. Foi construído para a feira mundial, tem 102 m altura, nove bolas de alumínio com 18 m de diâmetro e da mais alta, a 100 m de altura, temos uma vista impressionante da cidade. As esferas estão ligadas por escadas e é possível entrar em algumas delas,  sendo a subida de escada rolantes ou de elevador muito interessantes. Só por curiosidade, a voltinha dentro das esferas implica subir 9 escadas rolantes e 80 degraus e descer 1 escada rolante e 167 degraus. Para o topo basta apanhar o elevador que é bastante veloz, 5 m/segundo, tendo sido na altura da sua construção o mais veloz da Europa.

IMG_1454.JPG

Comece a viagem por aqui:

– Encontrar bilhetes de avião baratos;

– Descobrir um hotel bem localizado e com uma boa relação qualidade/preço;

– Fazer o trabalho de casa e traçar o percurso pela cidade, assinalando o que mais quer ver (não esquecer de deixar um dia para se perder e vaguear pelas ruas);

– Pesquisar alguns locais para provar a comida local.

Acreditem que da formal e monótona Bruxelas nada encontramos…cinzenta sim, mas apenas porque acho que Bruxelas é uma cidade amada pelo inverno e pela chuva.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s